menu
Colégio S. Gonçalo Apoiodo pelo Ministério da Educação
Colégio em 1931 Colégio em 1971 Colégio em 2012
1931 1971 2012
Menu Horizontal pesquisar
Destaques [notícias & avisos]

 

 

 

 

 

 
CONVITE: QUÍMICA à la carte

Na sequência do show de Física organizado no ano letivo anterior, os professores de Física e Química têm o prazer de convidar novamente os alunos do Colégio a participarem no dia 7 de março de 2014 em duas iniciativas de caráter científico: Feira de Ciência (alunos dos 1.º e 2.º Ciclos) e Química por Tabela 2.0 (alunos do 3.º Ciclo e do Secundário).
Feira de Ciência (laboratórios escolares)

Os alunos dos 1.º e 2.º Ciclos poderão participar numa atividade de 70 minutos, onde serão explorados e desenvolvidos conteúdos de Química experimental. Criado pelo Departamento de Química da Universidade de Aveiro, em parceria com a ‘Fábrica Centro Ciência Viva’, este evento foi produzido para comunicar Ciência num ambiente não tão formal como a sala de aula. Os alunos terão a oportunidade de realizar quatro atividades:

“Faz a tua pasta de dentes”
Abordar os conceitos científicos relacionados com a higiene oral pode ser tão divertido como educativo. Recorrendo a plantas, óleos essenciais e argila, produz-se uma pasta de dentes natural e com propriedades medicinais. Os participantes poderão levar consigo a amostra produzida.

“Faz o teu creme de mãos”
Esta atividade é uma oficina experimental na qual são abordados conceitos científicos como o de imiscibilidade e emulsão, e onde se pretende mostrar aplicações de materiais naturais na tecnologia atual. Desta forma, os participantes poderão produzir um creme de mãos hidratante à base de azeite e levar consigo uma pequena amostra.

“Vamos fazer sais de banho!”
A evolução do conceito de higiene ao longo do tempo é o mote para esta oficina, onde o produto final são os sais de banho. A produção do sal e as propriedades de algumas plantas são conteúdos abordados de forma informal e divertida. Deste modo, os participantes poderão produzir sais de banho e levar consigo uma pequena amostra.

“Pega-monstros”
Esta atividade é uma oficina experimental na qual são abordados conceitos científicos como o de formação de polímeros. Os participantes terão a possibilidade de produzir um “pega-monstros” que, fisicamente, é um gel, e brincar no final com o produto obtido desta experiência.






Química por Tabela 2.0 (auditório)

Com uma duração de 90 min, os alunos do 3.º Ciclo e do ensino Secundário poderão participar num show interativo que procura fazer a ligação constante com a química que nos rodeia no quotidiano através de uma sequência de transformações químicas curiosas e surpreendentes, onde são explorados conceitos de ácido-base, oxidação-redução, precipitação, combustão, complexação, quimioluminescência, entre outros. As alterações de cor e de estado físico proporcionam efeitos visuais apelativos, estimulando a participação do público.




Para mais informações contacta o teu professor de Físico-Química. As inscrições estão limitadas à lotação dos espaços!

TEASER COM VÍDEO
http://www.youtube.com/watch?v=4pJOhBAdutQ


LOGOS






Publicado em: 01/02/2014 10:50:52


 

 

 

 

 

 
Jantar: Natal 2013

Ontem, dia 21 de dezembro, teve lugar, no refeitório do nosso Colégio, o tradicional jantar de Natal. Diretores, professores e seus familiares, bem como os auxiliares educativos do Colégio de São Gonçalo, reuniram-se à mesma mesa para uma celebração fraterna, num ambiente de saudável convívio familiar.
Estão disponíveis mais fotografias na secção “Galeria de Fotos” [Colégio/Galeria de Fotos]

Publicado em: 23/12/2013 07:16:36


 

 

 

 

 

 
ATIVIDADE: Alunos do Colégio competem no Junior Business Challenge

Os alunos do Colégio, do curso Tecnológico-Científico de Contabilidade e Empreendedorismo e do curso de Planos Próprios de Contabilidade e Gestão, estão a participar no Junior Business Challenge, organizado pelo IPAM – the Marketing School, uma instituição do ensino superior com credibilidade reconhecida na área da Gestão. Trata-se de um jogo de simulação online na área da Gestão de Empresas, no qual os alunos gerem as vendas e as operações de uma empresa fabricante de brinquedos, durante quatro meses, de novembro a fevereiro.
O Junior Business Challenge desenvolve a compreensão dos jovens na dinâmica das operações empresariais num ambiente competitivo e integra um conjunto de conceitos de várias disciplinas: Gestão, Marketing, Produção, Logística e Finanças.
São objetivos do jogo apresentar de forma mais aprofundada os conceitos de Economia e Gestão lecionados na sala de aula, através de conteúdos interessantes e relevantes, explicar a Gestão e o Marketing, através da experiência real, e aumentar a motivação e apetência pela gestão de empresas. Permite, aos alunos, adquirir experiência prática em trabalho de equipa e resolução de problemas, mantendo espírito competitivo, num mercado envolvente e dinâmico, aumentar a consciência para as operações de uma empresa, no ponto de vista da gestão, e reconhecer as interações entre várias empresas e as suas influências externas, num ambiente complexo e competitivo, e aumentar a capacidade para interpretar e prever situações de mercado, conseguindo transformá-las em decisões e objetivos futuros.
Neste momento está a decorrer a primeira etapa do jogo, e as sete equipas do Colégio, constituídas por quatro elementos, duas do 10º ano, duas do 11º ano e três do 12º ano, competem com o entusiasmo e a motivação que lhes são característicos. São alunos com espírito empreendedor e um grande gosto pela gestão e têm a pretensão de visitar a cidade de Setúbal, no mês de fevereiro.
Um excelente jogo para todas as equipas!



Publicado em: 10/12/2013 05:47:28


 

 

 

 

 

 
AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO: CONTRA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA


O núcleo de Filosofia do Colégio de S. Gonçalo, em parceria com a Câmara Municipal de Amarante, enquadrada na Semana de Prevenção e Luta contra a Violência Doméstica, concretamente no projeto 100,Diferenças, realizou, no passado dia 25 de novembro, uma ação de sensibilização contra um dos fenómenos sociais que tem evoluído de forma significativa na nossa realidade social: a violência doméstica.
Com esta ação de sensibilização pretendeu-se esclarecer sobre os problemas da violência doméstica; sensibilizar para os motivos que provocam atitudes de violência doméstica e avaliar a necessidade de divulgar estes problemas.
A sessão teve início às onze horas e terminou volvidas as doze horas e trinta minutos. Durante a sessão, foi possível apreender um conjunto de situações que marcam este fenómeno e clarificar alguns conceitos inerentes a esta temática.
O principal objetivo desta ação foi essencialmente sensibilizar os jovens estudantes para o fenómeno da violência doméstica, desmitificar alguns conceitos e chamar a atenção para possíveis preconceitos e estereótipos ainda presos ao fenómeno da violência doméstica. Ficou claro que não há receitas para eliminar o fenómeno da violência doméstica, provavelmente, nunca será possível eliminá-la, mas a nossa função como pedagogos e cidadãos é sensibilizar para que os futuros homens e mulheres possam ter uma maior qualidade de vida, vivendo num ambiente de respeito e dignidade social.
Um agradecimento muito especial à Dra. Elisabete Ferreira e à Dra. Verónica Pinto pelo entusiasmo e dedicação com que se empenharam na sua missão. Um agradecimento à Câmara Municipal de Amarante por ter colaborado com o Colégio.
a professora Elisabete Fonseca
(Departamento de Ciências Humanas e Sociais - Grupo de Filosofia)







Publicado em: 02/12/2013 15:37:01


 

 

 

 

 

 
Reflexão: Famílias e Valores


“Os bons pais podem ser péssimos educadores. Apesar de cultos, informados e com poder económico, dão de mais e tornam os filhos em reis da casa. Acabam vítimas deles.” Rosa Pedroso Lima

É fácil perceber que, ao longo da história humana e até aos dias de hoje, ocorreram grandes modificações na «instituição família». Refletir sobre os valores por que se rege e/ou se deve reger a família do século XXI impõe-se como uma obrigação moral que compromete todos. E a quadra natalícia é sempre o melhor momento para assumirmos a nossa responsabilidade e darmos o nosso contributo crítico para uma avaliação da pessoa que somos na família que temos.
Nos manuais de história e de português, aprendemos que, comparativamente à sociedade dos séculos XIX e primeira metade do século XX, a sociedade moderna viveu grandes mudanças nos campos da economia, da política e da cultura, o que afetou significativamente todos os aspetos da existência pessoal e social. Essas mudanças repercutiram-se fortemente na vida familiar, desde o modelo de formação até às formas de sustento.
Aprendemos que, na sociedade burguesa, a formação familiar era ligada aos laços sanguíneos e à habitação em comum, cujos membros se limitavam ao pai, à mãe e aos filhos, sendo que o pai era o provedor do sustento, tinha contacto com a vida social e o mercado de trabalho, já a mãe tinha como obrigações os cuidados domésticos e com os filhos. Desta forma, a esposa e os filhos deviam obediência à figura masculina. Esse modelo de formação familiar era conhecido como patriarcal e, nessa época, o casamento estava ligado aos negócios entre famílias e tido como união eterna.
Aprendemos que, posteriormente, várias necessidades levaram a mulher a entrar no mercado de trabalho, o que fez com que se tornasse peça importante no sustento financeiro da família. Tal facto, por sua vez, determinou o afastamento precoce dos filhos do convívio familiar, dividindo ou mesmo transferindo o compromisso de educar para a escola.
Todavia, noutro plano, os casamentos passaram a ser realizados não como um negócio, mas mais por interesses individuais do casal, o que favoreceu a existência de uma relação mais íntima entre pais e filhos e um regime educacional mais liberal.
Em pleno século XXI, falar de família tradicional é um pouco subjetivo, pois existem vários tipos de formação familiar, que coexistem na nossa sociedade, com características distintas e que não seguem padrões «clássicos»: há famílias com pais separados, famílias monoparentais, famílias chefiadas por mulheres, famílias com casais homossexuais, etc..
Independentemente das exigências sociais e profissionais impostas pela sociedade e apesar das múltiplas mutações na organização da família contemporânea importa que ela não se demita da sua missão primordial: continuar a desempenhar funções educativas, transmitir valores culturais, fornecer modelos saudáveis de formação do indivíduo. E essa responsabilidade não se aprende e se vive só nos bancos de escola nem se cultiva com embrulhos natalícios.
Hoje em dia (como denuncia a imagem que ilustra este artigo), é vulgar perceber que muitas famílias sobrevivem dominadas por valores como o materialismo e o egoísmo, famílias que fecham a porta ao Amor e ao mais elementar humanismo, aquele que o espírito natalício celebra, cujos membros vivem alienados em convívios tribais que privilegiam o virtual em detrimento do humano, num individualismo doentio que esquece o mais importante: a família.
Importa, pois, que a «instituição família» seja sempre o primeiro grupo de mediação do indivíduo com o mundo social, assumindo a responsabilidade de garantir a sua sobrevivência física e mental. Mas ela só será o «berço de ouro» se os valores cristãos forem o «pão nosso de cada dia». Que assim seja.
António Costa [ensaio de um texto expositivo-argumentativo]


Publicado em: 29/11/2013 22:02:09

205 registos

1| 2| 3| 4| 5| 6| 7| 8| 9| 10| 11| 12| 13| 14| 15| ... 41|
©  Grupo de informática/informática de gestão @ Colégio de S. Gonçalo - AMARANTE - 2010/2012
users online:       IP: 3.236.159.130: